domingo, 1 de junho de 2014

Em Serrita, secretário de Meio Ambiente é detido pela PF por crimes ambientais

Olaria onde secretário foi preso sob a acusação de realizar garimpo ilegal. Foto: divulgação/PF

Ação conjunta da Polícia Federal e do Ibama resultou na prisão do secretário de Meio Ambiente de Serrita, no Sertão do Estado. Antonio da Cruz Sampaio, 61 anos, foi preso na última quarta-feira (28) sob a acusação de realizar garimpo ilegal em uma olaria na cidade sertaneja. O suspeito também é investigado pelo beneficiamento de ouro utilizando substâncias, como mercúrio, que são tóxicas ao meio ambiente.

As equipes da Polícia Federal encontraram no local máquinas em pleno funcionamento, como moinho, britador, motores à diesel, centrífuga, bomba d’água, cilindro de oxigênio, maçarico, mangueiras e mercúrio. O crime ambiental foi configurado, porque as substâncias utilizadas para a extração de ouro podem matar os animais que bebem água nos locais cujos lençóis freáticos estão contaminados.

O secretário foi autuado por garimpagem sem autorização legal, utilização de substância tóxica, extração de recursos minerais sem autorização e execução de serviços potencialmente poluidores. Se condenado, ele poderá ser preso por até 6 anos.
Equipamentos apreendidos pela PF. Foto: divulgação/PF

No interrogatório, o suspeito assumiu a responsabilidade sobre a olaria e informou que ano passado o promotor de Justiça de Serrita havia pedido uma pesquisa sobre a poluição produzida pelo empreendimento. No entanto, ele disse ter perdido o prazo e, por isso, teve que fechá-la.

Ele agia sem forma irregular – sem licença – há aproximadamente dois anos. Ele informou também que paga uma diária de R$ 30,00 para as pessoas que trabalhavam na extração do ouro.

Por fim, o secretário relatou que vende o grama do ouro por valores entre R$ 55 ou 60 reais para lojas de jóias e pessoas físicas

Além dos processos, Antonio da Cruz recebeu multa do Ibama no valor de R$ 200 mil. Ele entrou com pedido de liberdade provisória e aguarda decisão da justiça.

Com Informações do NE10

0 comentários:

Postar um comentário

Serão aceitos apenas comentários com indenficação verdadeira