domingo, 28 de maio de 2017

Chuvas tiram mais de mil famílias de casa em Alagoas. Governo decreta emergência


Mais de mil famílias tiveram de deixar as suas casas em Alagoas por conta das chuvas, informou o governo do estado neste domingo (28). Na capital, Maceió, há 212 famílias desabrigadas e outras 650 desalojadas (tiveram de buscar abrigo em casa de amigos ou parentes).

Faz uma semana que chove forte em todo o estado, mas os estragos se intensificaram a partir da madrugada de sábado (27). Em Maceió, 4 pessoas morreram e outras 4 ainda estão desaparecidas. As chuvas causaram deslizamentos de barreiras, elevação de rios e alagamentos na capital e interior.

Além da capital, as pessoas tiveram de deixar as casas em outras três cidades da Grande Maceió: Marechal Deodoro (250 famílias desabrigadas), Pilar (30 desabrigadas e 35 desalojadas), Atalaia (200 desalojadas).

Por causa dos danos, o governador Renan Filho decretou situação de emergência em Maceió e Marechal Deodoro, na região Metropolitana. A informação foi divulgada neste domingo (28), pela Secretaria de Comunicação. Além dessas duas cidades, prefeituras de Pilar e Rio largo também decretaram emergência. Em Paulo Jacinto, o prefeito decretou estado de alerta.

“A situação é de emergência, mas estamos preparados para fazer os enfrentamentos. Já contactei o presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Hugo Wanderley; o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, e o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, como forma de estarmos todos juntos, colaborativamente, enfrentando essa situação de emergência em virtude das fortes chuvas que se abateram sobre o Estado”, declarou o governador.

Ele informou que outros municípios podem passar a fazer parte do drecreto e que a situação está sendo avaliada por uma equipe.

Em Jacuípe, famílias foram desalojadas e desabrigadas durante esta madrugada, por causa da elevação do nível do rio, que dá nome à cidade. Segundo o governo, ainda não se tem números porque o município da região Norte encontra-se sem comunicação.

No estado, mais de 1300 famílias ficaram desalojadas (tiveram que deixar os imóveis). Destas, cerca de mil não tiveram para onde ir e estão em abrigos públicos. O restante foi para a casa de amigos e parentes.

Segundo o governo, os municípios mais atingidos pelas chuvas, dentre os quais: Atalaia, Jacuípe, União dos Palmares, Marechal Deodoro e Murici.

O nível da lagoa Manguaba subiu e moradores do Centro Histórico de Marechal Deodoro estão ilhados. A população está deixando as casas e, em algumas ruas, só é possível sair com a ajuda de canoas. Equipes do Exército ajudam na retirada de famílias que tiveram as casas tomadas pelas águas.

O Instituto Federal de Alagoas informou que as aulas no Campus Marechal Deodoro foram suspensas para esta segunda-feira (29). A chuva que cai na cidade também causou alagamento na escola, inundando as quadras esportivas, o estacionamento e outras dependências.

Nível dos rios elevado

De acordo com a Sala de Alerta da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), o nível dos rios Paraíba e Mundaú permanece elevado, embora tenha se estabilizado. A preocupação maior é com o Mundaú, porque chove com intensidade nos municípios pernambucanos de Correntes e Canhotinho, onde ficam as cabeceiras do rio.

Outra preocupação é com os níveis das lagoas Mundaú e Manguaba, que mesmo com a diminuição das chuvas permanecem a acumular água pelos próximos três dias, afetando diretamente os municípios de Marechal Deodoro e Pilar.

“Durante a tarde deste domingo, as chuvas se concentram no extremo Norte de Alagoas, na região de Jacuípe, e em parte da Zona da Mata. Amanhã, o tempo fica mais seco em todo o Estado”, informou o meteorologista da Sala de Alerta da Semarh, Vinícius Pinho.

Com Informações do G1.com

0 comentários:

Postar um comentário

Serão aceitos apenas comentários com indenficação verdadeira